O Genocídio das Almas - A Experiência Pitesti: reeducação por meio da tortura
Aleksandr Solzhenitsyn

"O mais terrível ato
de barbárie do
mundo moderno"

Aleksandr Solzhenitsyn

Vídeo não editado do documentário de longa-metragem
"O genocídio das almas. A experiência de Pitesti: Reeducação Por Meio da Tortura ".
Um filme de Sorin Ilieşiu. © Fundação VideoMedia.

Emil Sebesan: Houve esse incidente horrível. Tivemos um estudante de teologia entre nós, e eles o fizeram celebrar a missa no barril onde evacuávamos ... você sabe é um barril que usávamos como vaso sanitário. Eles não nos permitiam ir a um banheiro adequado. Então, o puseram no barril e eles usaram uma barra de sabão para esculpir um pênis em vez da cruz. E fizeram-nos revezar em beijar o pênis de sabão, enquanto o estudante encenava a missa e assim por diante ... Esse é o tipo de coisas que eles faziam. Só para zombar e humilhar-nos. E eles nos fizeram comungar urina e fezes. Todos nós. Com uma colher de chá. Nós já tínhamos feito isso antes, não era nada de novo, mas era um terrível saber o que eles queriam que isso significasse.

A Virgem Maria era chamada de prostituta por todos eles. Turcanu nos dizia: "O quê, você na prostituta Maria? Quem sabe quantos “pais” pode ter havido ... até que ela finalmente encontrou um idiota e disse à ele que Deus era o Pai”.

Qualquer tentativa de fazer o sinal da cruz significaria ao menos uma surra de uma hora. Acho que a única maneira que as pessoas teriam de fazer o sinal da cruz era com a língua dentro da boca fechada.

Emil Sebesan: Você podia ir para o barril só depois que eles te batiam até você molhar as calças. As fezes porém, você tinha que recolher no seu prato de estanho. Assim que você o fazia, percebia que não podia esvaziar Que uma vez que você fez, você percebe que realmente não poderia esvaziar ou limpá-lo e eles colocavam a sua ração de comida em cima daquilo ... E eles fazem você comer aquilo. Eles empurravam o seu rosto no prato e faziam você comer tudo com sua colher. Se você pedia água, davam urina - a sua própria ou de outra pessoa, era tudo a mesma coisa para eles. E eles diziam que teria que ser grato porque pelo menos tinha alguma coisa para beber.

A primeira coisa que faziam em tais investigações e interrogatórios era desumanizá-lo. Eles não iriam parar até que você chamar seu pai de alcoólatra e sua mãe de puta. Era inevitável, você tinha que dizer essas coisas para parar o espancamento. Lembro-me de que eles organizavam missa aos domingos. Havia dois alunos de teologia de Cluj entre nós. Eles faziam os dois celebrar a cerimônia religiosa e faziam com que nós esculpíssemos um pênis com uma barra de sabão e depois tínhamos que beijá-lo durante a “missa”. O sacerdote tinha que elevá-lo ao invés da cruz. E te abençoava com aquilo.

Emil SebesanAs pessoas morriam também. Espancadas até a morte, eu conheci muitos.

Repórter: Você testemunhou algum assassinato?

Emil Sebesan: Sim.

Repórter: Você pode nos falar sobre isso?

Emil Sebesan: Bem, eu realmente não o vi morrer, mas eu vi como eles o torturaram. Este homem, Bogdanovich. Eu vi Turcanu pular com suas botas pesadas com salto no peito do homem - repetidamente. E não foi acidentalmente também. Ele fazia isso por muito tempo! Bogdanovici morreu esmagado sob seus pés. Espancado até a morte. Outros, também: Petrica Cojocaru, para não dizer nada de Oprisan. Oprisan não ficou com um centímetro de seu corpo que não estivesse machucado. Eu o vi nu nos chuveiros. Todo mundo dizia: "Olha o coitado do Oprisan!"

Emil Sebesan: Isso foi extremamente interessante. Todo mundo fica em silêncio sobre Pitesti. Tinham muito medo. Mesmo eu não contei nada à minha esposa do que aconteceu comigo em Pitesti. Só um parênteses: quando eu vim para casa após a revolução encontrei minha esposa chorando." Por que você está chorando?" perguntei a ela. Ela disse, "Eu percebi depois de 20 anos de casamento que você não confia em mim" . "O que você quer dizer eu não confio em você ?" "Por que eu tenho que descobrir de outras pessoas o que aconteceu com você em Pitesti? Você nunca me disse. Por que não confia em mim”. Então eu respondi:" Sente-se e escute-me. Eu vou explicar isso para você . Você tem uma irmã e dois irmãos. Se eu tivesse dito algo, você teria conversado sobre isso com a sua irmã e irmãos, e eles teriam falado sobre isso com os amigos, e muito em breve a Polícia iria ouvir isso e me agarrar e bater de maneira infernal em mim novamente. Será que você teria gostado de que isso acontecesse?" “Claro que não. " "Bem, então. Então você descobriu sobre isso agora. O que você pode fazer sobre isso, afinal? Você poderia ter feito desaparecer como se nunca tivesse acontecido? Claro que não, então por que se preocupar com isso, então? Não se preocupe, não foi porque eu não confio em você.
Ghe. Gheorghiu: Então um dia dizem a esse homem: "Agora você denunciou sua família. Confesse com quantos ciganos sua mãe saía e seu pai ... você deve ter tido um desses ciganos como pai, não é? Vamos começar falando sobre o seu pai." Ele respondeu: "Você me humilhou tanto quanto você queria, mas não vou manchar o meu pai porque ele nunca fez o que dizem que ele fez. Isso simplesmente não é verdade. Ele era um homem de honra" ... Eles colocaram ele no chão e todos pularam em cima dele ... seis ou sete deles . Pisaram-no sob os pés, bateram-lhe na cabeça ... Como eles o maltrataram!

Ghe. GheorghiuChegou a um ponto que eu não aguentava mais aquela cela. Não era tanto o espancamento, mas ficava chocado com as outras coisas também. Especialmente como faziam essas pessoas comerem fezes. Era humilhante aquela cena na Páscoa e no Natal. Perturbava muito. Tudo isso foi simplesmente demais. E esse homem morrendo, embora eu não o visse, ele estava na outra cela. Então, um dia, eu peguei o frasco de vidro do cara e quebrei para que não me ouvissem (eu realmente não me lembro como eu fiz isso) e eu cortei meu pulso e fiquei ali. Infelizmente, terminou mais cedo com esse cara - ou talvez essa foi a minha sorte, quem pode dizer ... e eu não perdi bastante sangue ... Eu tinha me cortado do melhor jeito que eu poderia ....

Algum tempo se passou, e Turcanu veio para mim e disse: "Saia você, cretino. Que foi aquilo que você pensou que ia me impressionar?" E ele me pegou pelo pescoço e me bateu [na parede]. "Você não tem que morrer quando quiser. Você morrerá quando nós tivermos terminado com você, depois que você nos diga tudo o que precisamos ouvir.

Traian Popescu: Se eu não tivesse experimentado a crise e tentado acabar com a minha vida ... , mas eu também tive tempo no sótão para me fazer querer acabar com esse Calvário ... Eu não podia orar mais, eu estava desesperado. “Por que Você não me leva? Por que Você deixou todas essas coisas acontecer comigo?" E enquanto eu preparava uma ou duas linhas, a música vinha também. Quando eu fiz o Hino da Liberdade e da Dança da Roda da Liberdade, a música e a letra viriam para mim, simultaneamente, enquanto eu dançava em torno do sótão. Às vezes a música vinha em primeiro lugar ... E naquele momento a letra viria a mim também. Eu nunca ouvi falar de ninguém ser capaz de criar música sinfônica sem uma educação formal e sem caneta e papel.

Dan Lucinescu: Eu gostaria de lhe pedir, para seu próprio bem, que acredite que o que eu estou dizendo é verdade. Seria muito desagradável se você não acreditar em mim.

Em um ponto, depois de alguns golpes que recebi, eu parei de sentir qualquer dor. Mas um pensamento surgiu em minha mente que foi bastante interessante. Eu queria muito passar para o outro lado. Expiação, minha morte, me pareceu uma ótima solução para tudo. Eu pensei que não era realmente muito pecador, talvez por isso eu iria ser aceito no reino dos céus. Assim que o pensamento passou pela minha cabeça, eu olhei para os dois homens na frente de mim e notei suas feições esgotadas e o suor escorrendo em seus rostos. E havia gratidão nos meus olhos, essas pessoas estavam me ajudando a atravessar para o outro lado, pensei. E quando eles pararam e olharam nos meus olhos e viram o meu olhar grato e amigo, os bastões caíram lhes das mãos ao mesmo tempo. Houve um silêncio na sala, de repente, o que significava que eu não tinha conseguido, em um certo sentido.

Dan Lucinescu: Então havia esse grupo de condenados que tiveram de sofrer tortura horrível. Eles tinham muito ódio de quem tinha estudado teologia, e havia este homem de Timisoara, uma escola de pós-graduação em teologia lá, um sujeito muito religioso, mas também um muito forte e gordinho. Todo o esforço deles foi canalizado em fúria para com ele, mas eles o espancaram tão mal que o homem evacuou com a dor e então eles fizeram ele comer suas fezes misturadas com urina e tudo mais. Essa foi a coisa mais horrível que eu testemunhei ...

Dan Lucinescu: Um estudante de medicina, uma pessoa muito agradável e especial, levou uma surra violenta quando ele os enfrentou e disse que não iria cooperar. Ele tinha um senso de humor implacável que dirigia contra eles. Por isso, quando perceberam que ele não poderia ser alquebrado e reeducado e iria permanecer como era - eu estava bem atrás, ele estava à minha esquerda - seu nome era Pintilie, este estudante de medicina - eles vieram com dois pratos de estanho, e então ele parou e estava bastante ciente do que estava acontecendo, então ele colocou na boca e bebeu tudo. Depois de algumas horas começou a inchar, desenvolveu edemas cerebrais, levantou-se no meio da sala e começou a ensinar algo em francês, então ele caiu e nunca mais levantou-se novamente.

Repórter: Morreu ali mesmo na sala?

Dan Lucinescu : Sim ali mesmo.

Marcel Petrisor: Você fica assombrado pelo fato de que conseguiram fazer você repudiar sua própria mãe, que fizeram você admitir ter tido relações sexuais com uma porca, esse tipo de coisa ... Depois de dizer estas coisas, não é muito fácil esquecê-las. Ao nos reeducar, o espancamento e a violação do seu corpo eram atrozes, mas não tanto como a violação moral. Fazendo você debochar e profanar o sagrado mistério da comunhão, isto era insuportável, e 99% de nós éramos cristãos. Depreciar-se, reivindicar coisas monstruosas sobre si mesmo e sua família para que eles pudessem ficar convencidos de que você estava realmente reeducado e havia rompido com seu próprio passado, isso é realmente horrível.

Desprezar suas próprias convicções, seus ideais - até mesmo sua própria fé ... e há outra coisa terrível, obrigando-o a se tornar um torturador daqueles que chegavam, que seriam reeducados e ter as mesmas coisas infligidas sobre que fizeram você chegar a este estado e se tornar um torturador

Repórter: Será que algum de vocês conseguiu evitar tornar-se um carrasco para os outros?

Marcel Petrisor: Sim, muito poucos - Quero dizer ... aqueles que se suicidaram ... Isso é horrível, que eles nos forçassem a torturar outros. Ou ver o seu bom amigo torturado na frente de você até que finalmente confessar o que é que eles querem que você diga.

Marcel Petrisor: "A liturgia negra" - Isso significava que eles vestiam alguém em lençóis foram pintados como batina, e ele tinha que ouvir confissões com a cruz de cabeça para baixo ... eles arremedavam confissões dos que falsamente confessavam sobre adultério, sodomia e assim por diante ... e, no final, eles faziam que comungássemos excrementos ... simbolizando a sagrada comunhão. Isso era horrível! ... Os dois camponeses debaixo da cama ... Eles bateram neles e forçaram os dois a deitar debaixo de suas camas porque eles não confessavam que Deus não existia, e não renunciavam à sua fé. E eles sussurravam um ao outro: "Como podemos dizer que Deus não existe, como eles querem que façamos, o que vai acontecer a nós quando finalmente encontrarmos nosso Criador? É melhor aceitar esta punição aqui' . Bem, eles só puderam suportar até certo ponto. No final eles também tiveram que dizer o que foi pedido a eles.

Aqui está outra tortura física. Eles faziam você evacuar numa latinha, limpá-la com urina e aí colocavam sua refeição. E então com as mãos amarradas para trás faziam você se ajoelhar e comer diretamente com a sua boca, como um porco.